19.1.10

A ciclovia é dos pedestres

Hosted by imgur.com
A propósito da postagem com o comentário de Marcelo Augusto de Oliveira Filho, uma foto que ilustra bem a falta de respeito com ciclistas: na ciclovia milionária da avenida Mandacaru há mais gente caminhando que bicicleta andando, e cada vez mais o número de caminhantes aumenta, apesar das placas avisando que ali é proibido caminhar. Neste caso, a culpa é mesmo da administração Barros: ali não há demanda para ciclovia, mas fizeram só por causa do dinheiro; não fosse esse modesto blog, estariam faltando 60 luminárias e lâmpadas ao longo dos 3,6 km de pista, apesar de que, mesmo assim, o custo continuou astronômico. Se desde o começo tivessem feito uma pista para caminhada, não ficaria tão claro o desrespeito com quem anda de bicicleta naquele local - e, quem sabe, os cofres públicos respirariam mais aliviados.

19 pitacos:

Anônimo,  22:24  

QUEM CORRE NA MANDACARÚ TEM QUE CUIDAR PRA NÃO PISAR EM COBRA, AFINAL COM A GRAMA NESSA ALTURA, ATÉ TATU DEVE TÁ SE ESCONDENDO ALI.......

maocastro 22:26  

O desrespeito com o ciclista não ocorre apenas nesta ciclovia. Foi anunciado que na "supervia" existe uma ciclovia, mas lá percebe-se várias interrupções ao longo "da dita" e nenhuma guia rebaixada para que o ciclista possa seguir na avenida e retornar pra ciclovia.
Em geral as ciclovias não são feitas por ciclistas, ligam nada a lugar nenhum e não nos sentimos seguros, afinal sair em cruzamentos saindo do canteiro central é um absurdo.
No bosque 2, quele trecho "asfaltado na calçada", teoricamente também é uma ciclovia, no Paruqe do Ingá o calçamento externo tmabém era, mas já foram retiradas as placas há séculos.
No viaduto da Guaiapó a guia rebaixada joga o ciclista pro meio da via.
Com a implantação dos binários, foi aberta a temporada de caça aos ciclistas e pedestres É uma pena ver uma cidade plana como Maringá sem nenhum planejamento cicloviário.

Marcelo Augusto Oliveira de Castro
Pedestre, ciclista e motociclista

Anônimo,  22:41  

As placas que informam os pedestres que é proibido caminhar sobre a ciclovia da Mandacarú são uma prova do quanto o planejamento da mobilidade urbana em Maringá é prioritariamente feita em prol do carro, pois as placas, embora sejam para o PEDESTRE enxergar, são altas, voltadas para a rua, de modo que os motoristas a vejam, incrível. E mesmo assim dias atrás um carro subiu na ciclovia e acertou um ciclista.
(Fernando Manosso)

Anônimo,  22:47  

Eu como usuário da ciclovia da Mandacarú (de bicicleta, é claro) não vejo problema em dividir o espaço da ciclovia com pedestres, nos trechos da avenida em que proprietários afortunados se quer constroem uma calçada, do mesmo modo que eu, quando na condição de pedestre em uma rua sem calçadas, quero que os carros me vejam e me respeitem. Agora, andar 3 ou 4 pessoas desfilando uma ao lado da outra ocupando toda ciclovia e com fone de ouvido ainda, é para acabar! Porque não fazem o mesmo junto a via para os carros?


(Fernando Manosso)

Anônimo,  22:56  

Pelo preço que custou,tem que ser ciclovia e pista de atletismo,e algo mais,Rigon aqui vai uma dica quer pegar barata abra toda a tampa do mel que ela cai e morre atolada,quer pegar estas obras feitas irregularmente,fotografe documenta-se,todas as irregularidades epere entregar a obra,ai sim faça a denuncia.Ai o ferro vem

Marcelo Augusto de Oliveira Filho,  00:20  

SISTEMA BINÁRIO E AS CICLOVIAS
Outra sugestão é a campanha de implementação de ciclovias de baixo custo que seriam implementadas apenas através de sinalização pintada nas vias públicas, sinalizando desta forma a área exclusiva para circulação de bicicletas, igual aquela existente e desrespeitada na súbida do Parque do Ingá, mas isso não significa que ela é inviável, bastando à Setran a fiscalização.
O Poder Público tem o dever de implementar as melhorias e ainda dispõe de Poder de Policia para fiscalizar o seu cumprimento,já que são princípios constitucionais o da MORALIDADE, DA LEGALIDADE, DA RESPONSABILIDADE e DA EFICIÊNCIA.
Assim, a administração não deve apenas construir, como zelar e fiscalizar para que suas "obras" sejam utilizadas de forma eficiente, responsável, legal e honesta.
Com isso, se incentivaria a utilização das bicicletas pela população, já que elas teriam pistas de rolamento exclusivas e em uma cidade plana como Maringá, isso é como sopa no mel e consequentemente muito ecológico, pelo desestímulo à utilização de veículos.

Anônimo,  04:02  

Em minha opiniao como ex-ciclista (o ex e devido ao fato de morarmos em uma cidade tao amistosa que alguem entrou no predio onde moro e pegou minha bicicleta e de outros moradores emprestadas e esqueceu de devolver) e de que as ciclovias de 'baixo custo' sao infintamente melhores e mais eficientes que as de 'alto custo', pois nas que as faixas sao pintadas na lateral da pista permite o ciclista entrar em uma rua perpendicular mais rapidamente e tbm por nao ter carros parados em sua tragetoria nem virando sem se preocupar se vc esta passando ou nao, como acontece muito quando ha descontinuidade da ciclovia por motivo de retorno p/ carros ou cruzamentos com conversao a esquerda permitida... sem contar que em paises com indices infinitamente maiores que os do Brasil em termos de percentual de ciclistas funciona.

Vagner,  08:21  

Moro nesta região e posso afirmar: a maioria dos ciclistas não usa a pista adequada. Prefere a avenida mesmo. Acho que o problema é educação e respeito de todas as partes.

André 09:09  

Ainda a respeito da Mandacaru, que também sou usuário, o que está havendo ali e um total desrespeito com nós ciclistas, como disse o Sr. Manosso anteriormente, os pedestres no mínimo deveriam andar ao lado, em uma mão da ciclovia, ás vezes escutamos resmungos, chingamentos, etc, por pedir licença para passarmos com nossas bikes, é uma vergonha, sem contar a possibilidade de atropelamento com carros nos cruzamentos...
Quando seremos respeitados? Quando????

Marcelo Augusto de Oliveira Filho,  09:30  

PARA QUE OS ABELINHAS (AGENTE DE TRÂNSITO)
Lendo hoje nosso jornal local encontramos essa afirmação do "especialista" em trânsito municipal:

A maior parte das infrações registradas em 2009 corresponde a avanços de sinal vermelho. Sensores nas faixas e semáforos captaram 23.797 motoristas que não respeitaram a parada obrigatória – 33,68% do total de infrações. As multas aplicadas por agentes de trânsito correspondem a 27,25% do total. Em terceiro lugar entre as ocorrências mais comuns, os radares instalados no município registraram 14.524 infrações por excesso de velocidade – 20,56% das ocorrências de 2009.

Constata-se claramente que mais de 50% das multas aplicads são por equipamentos eletrônicos, correspondendo apenas 1/4 destas aos agentes de trânsito.
Está é uma constatação muito importante, qual seja, os agentes de trânsito não estão fazendo nada, pois, a maior partes das infrações com certeza se as penalidades fossem aplicadas corretamente, seriam de estacionamento inrregular de motos, uso indevido de celular, falta de cinto de segurança, ultrapassagem indevidas de motos e ai vai, inclusive a fiscalização de nossas ciclovias e calçadas de pedestres. É isso não interessa, pois não gera arrecadação e dá muito trabalho.

maocastro 09:48  

as ciclofaixas são aquelas pintadas na mesma via de trânsito dos carros, são mais práticas mas as ciclovias são mais seguras. Prefiro"disputar espaç" com pedestre, onde o peso do meu veículo(bicicleta) é bem menor e causa enos danos aos causados por um automovel numa pista de rolagem.
Pra reolver o porblema do transito, aqui é implantado binário, em outras cidades bicicletas públicas(de aluguel).
Culturalmente falando o carro é sinal de status, é fácil encontrar quemfinancia um automovel, mas uma casa já fica complicado.

Enquanto esta cidade priorizar o carro ao ser humano, está descarta a hipotese de qualquer alternaticva de transporte humano(efetuado pela força do homeme, ao invés de um motor) decente.

Cicloabraços preocupados
Marcelo Augusto Oliveira de Castro
Pedestre, ciclista e motociclista

Marcelo Augusto de Oliveira Filho,  09:48  

ERRATA:
Na pressa o texto ABELINHAS saiu digitado errado, aonde se lê:
- multas aplicads, leia-se multas APLICADAS
- inrregular de motos, leia-se IRREGULAR regular de motos

Anônimo,  10:29  

É o famoso planejamento patropi, pa tropica e cair. Da-lhe secretario Jurandir, o cara que nao permite criticas e manda o povo à merda (Rigon, nao poe xizinho porque o Lula ja liberou), que da discurso sobre falta de participaçao publica mas nao sabe como gerir uma consulta popular, nao lê o regulamento, usa o controle de som para cortar o microfone dos pariticipantes, manipula o direito de votaçao dos interessados.
Uma politica publica hipocrita e viciada resulta em obras ruins e numa cidade com planejamento absurdo, onde mesmo os incorporadores terao seus interesses prejudicados pelo mau planejamento, que, portanto, pretende favorecê-los.

maocastro 11:46  

ao meu xará:

Fico feliz que os agentes de transito nao estão multando, algumas vezes ja fui advertido por um agente da SETRAN andar de moto com viseira aberta, ao invés de ser surpreendido em casa com um aviso de multa. É um saco andar com a viseira fechada, mas é lei, além de ter que usar farois ligados durante o dia. Se formos verificar, menos de 5% dos moociclistas andam corretamente: duas maos no guidão, viseira fechada, faróis ligados e ultrapassando pela esquerda.
Creio que a principal função dos agentes de transito é orientar, pra multar ja temos vários vigilantes eletronicos.

A placa utilizada nas cicovias quer dizer "Circulação exclusiva de bicicleta", não seria necessária outra placa de advertencia aos pedestres.

Tenho tentando fazer meus deslocamentos só de bicicleta, fugindo dos binários e deixando a moto em casa, pois estes primeiros dias serão muito complicados e teremos muitos acidentes.

Marcelo Augusto de Oliveira Filho,  11:53  

GOLPE NA INDÚSTRIA DA MULTA

Vejam o comentário do nosso "especialista" em trânsito:

Em 2009, a Setran arrecadou R$ 6,833 milhões com as multas aplicadas. O valor é 10,19% inferior ao registrado no ano anterior, quando foram arrecadados R$ 7,608 milhões. Os recursos integram o Fundo Municipal do Trânsito, que financia projetos de educação no trânsito e melhorias no sistema viário e de sinalização. “O Sistema Binário, que está sendo implantado em Maringá, é feito com esses recursos, assim como a pintura, sinalização e semaforização das vias”, explica Guerlles.

Nosso secretário faz uma análise equivocada sobre a redução na arrecadação de multas, pois o que realmente ocorreu foi a transferência coercitiva da fiscalização para a Policia Rodoviária Federal da galinha de ovos de ouro (Av. Colombo e saída para Campo Mourão).
Já os recursos que integram o Fundo Municipal do Trânsito, que seriam para financiar projetos de educação no trânsito e melhorias no sistema viário e de sinalização, está servindo para gastos desnecessários, pois como afirma o secretário o dinheiro do fundo está sendo utilizado em parte para o sistema binário, entre as prioridades a semaforização, na qual está sendo gasto dinheiro público de forma, diga-mos, inoportuna, pois basta observar que o semáfaros que eram utilizados no sentido contrário das vias foram substituídos por novos, isto é um absurdo, dinheiro jogado fora.
A melhor utilização seria na implantação das ciclofaixas, sugeridas aqui neste blog pelos Marcelo Augustos, as quais são de baixo custo e reduzem de forma significativa a emissão de gases poluentes.
Não sejamos tolos, a cultura do veículo é terceiro mundista, já que nas cidades do primeiro mundo o incentivo ao transporte alternativo é regra e não exceção.
Pensem nisso.
GUTTO

Marcelo Augusto de Oliveira Filho,  13:39  

Xará,
Pelo que parece você é um motoqueiro consciente, sabemos que existem exageros no Código de Trânsito, mas a maioria das regras veio para melhorar.
A função dos abelinhas deve ser sim orientar, mas não é isso que ocorre, além de ciclista, motorista, também sou motociclista e sei que por uma questão social, os abelinhas fazem vistas grossas aos motoqueiros (estacionamento irregular, ultrapassagens irregulares, paradas irregulares em semáfaros - 1,5 m de distância lateral -, transporte irregular de crianças), ciclistas que andam em calçadas, motoristas que transportam crianças sem cinto ou no banco da frente, pedestres que andam em ciclovia ou atravessam de forma irregular fora da faixa e etc.
Deveriam os abelinhas orientar de forma genérica todos os integrantes do trânsito e aplicarem a lei sim, primeiro com advertência (educativo) e após com a multa (punitivo).
As regras são para serem cumpridas e nós como cidadãos devemos nos mobilizar para retirar aquelas que não tem razão de existir.
Gutto

maocastro 14:29  

O adesivo: "Visite Maringá e ganhe uma multa" não é a toa, é incrivel a quantidade destes equipamentos espalhados pela cidade.

sou motoqueiro e ciclista consciente, mas isto não quer dizer que ande 100% dentro da lei, até pq espelho retrovisor na bicicleta não tem muita serventia..rsrsrs

Como ciclista procuro participar de tudo que se relacione a transito e fazer com que novas pessoas comecem ou retornem a pedalar. As condições em Maringá são extremamente favoráveis ao ciclistas, tendo como fator desestimulante a falta de respeito no transito e a falta de lugares seguros pra deixar as bicicletas.

Participei de todas as bicicletadas em Maringá, acho que embora existam grupos de ciclists em Maringá, existe pouca movimentação em prol do ciclismo esportivo ou urbano. É necessa´ria mais integração e interação!

"Bora" fazer uma nova bicicletada no fim do mês?

Anônimo,  17:13  

Ei, Marcelos, que tal vcs se unirem com suas idéias e começarem uma campanha séria junto à prefeitura para a população? vi que o nosso prefeito sempre anda de bicicleta também e acho que, se conseguirem uma audiência com ele, juntamente com a secretaria de esportes, vcs poderão trazer bons frutos. Boa sorte!

Anônimo,  22:32  

AO anonimo das 17:13, EU APOIO A INICIATIVA!! Boa sorte!!

Postar um comentário

Vê lá o que vai escrever! Evite agressão e preconceito. Eu não vou mais colocar xizinho; na dúvida, não libero o comentário.

  © Blogger templates 2008

Para cima